ARANHAS

As aranhas são animais artrópodes (invertebrados), pertencentes à ordem Araneae da classe dos aracnídeos.

 

Vivem em habitats variados e são os aracnídeos mais abundantes, com cerca de 32 mil espécies descritas.

 

Variam em tamanho desde espécies diminutas, com menos de 0,5 milímetro de comprimento até as grandes tarântulas e caranguejeiras, que, só no corpo, descontando-se as patas, chegam a 9 centímetros de comprimento. Algumas espécies de tarântulas da América do Sul alcançam cerca de 25 centímetros com as patas distendidas.

 

São animais de vida livre, solitárias e predadoras.

 

São carnívoras, alimentam-se principalmente de insetos, que podem ser caçados ou aprisionados nas teias.

 

Todas as aranhas produzem seda, e constroem teias.

 

Uma função da seda, comum à maioria das aranhas, é o seu uso como fio de guia. Conforme a aranha se move, deixa atrás de si um fio de seda seco, este fio atua como um dispositivo de segurança.

 

As teias apresentam formatos que variam de acordo com a espécie e têm múltiplas utilidades. Podem servir como estruturas de dispersão para aranhas jovens, podem conter gotículas pegajosas que permitem a captura de presas, podem funcionar como estruturas de hibernação e acasalamento.

 

Espécies maiores utilizam pequenos vertebrados como alimento. A presa é segura pelas quelíceras, imobilizada e morta pelo veneno. Há espécies que envolvem a presa em seda antes ou depois de picá-la, de modo a permitir melhor imobilização.

 

Todas as aranhas possuem glândulas produtoras de veneno, porém poucas são perigosas para os humanos.

 

As fêmeas têm vida mais longa, umas morrem após a postura, outras chegam a durar até 15 anos, acasalando-se e procriando anualmente.

 

As aranhas não são apenas nocivas. Por serem carnívoras, alimentam-se, principalmente, de baratas, grilos e outros insetos. Com isso, controlam a população desses seres, impedindo que a sua proliferação prejudique o meio ambiente.

 

 

 

São animais de sexos separados, e a sua fecundação é interna. Os machos são geralmente menores do que as fêmeas, com as quais desenvolvem todo um comportamento de "corte". Eles não possuem pênis para introduzir os espermatozóides no corpo das fêmeas, mas desenvolveram outro mecanismo para isso.

 

Os machos desenvolvem, na extremidade dos pedipalpos, uma dilatação bulbosa onde armazena os espermatozóides; usam, então, os pedipalpos para fecundar a fêmea. As fêmeas põem os ovos fecundados no interior de sacos de seda construídos por elas. Dos ovos eclodem jovens semelhantes aos adultos.  

 

No Brasil temos três espécies de aranhas perigosas: a viúva negra (Latrodectus sp), a aranha armadeira (Phoneutria sp), e a aranha-marrom (Loxosceles sp).

 

Conheça as principais espécies: